dom. fev 28th, 2021
Conheça a prova GMAT

Quer estudar fora? Conheça a prova GMAT

Se você está pensando em estudar fora, então é bem provável que (cedo ou tarde) se depare com a prova GMAT. Ela é cada vez mais utilizada no meio corporativo, principalmente na área de Finanças ou de Relações Internacionais.

Entretanto, não é só isso. Caso você tenha vontade de fazer um mestrado ou MBA fora, por exemplo, então deve dar atenção para esse ponto. Além do nível de inglês provado nos exames de proficiência, é bem provável que você tenha que fazer a prova GMAT como mais uma prova de admissão.

Ficou mais curioso? Então entenda melhor sobre o assunto no post de hoje e prepare-se de forma eficiente. Vamos juntos nessa?

O que é a prova GMAT, afinal?

O Graduate Management Admission Test (GMAT) é um teste que avalia a habilidade de tomar decisões e o conhecimento mental dos seus candidatos. É claro que são consideradas situações específicas, mas todos os candidatos são submetidos à mesma estrutura de prova.

O teste é baseado em conceitos de matemática e exigem o domínio de inglês, sempre explorando situações comuns no dia a dia de qualquer executivo. A ideia é criar mais um processo de seleção – e deu muito certo. Prova disso é que o teste GMAT é usado em mais de 5 mil processos de seleção profissional e acadêmico.

Embora a pontuação não seja tão decisiva em alguns casos, ela é um verdadeiro diferencial. Isso significa que as pessoas que se destacam podem fazer parte de turmas mais seletas.

O que eu devo saber sobre o exame?

É claro que existem alguns pontos da prova GMAT que merecem mais atenção. Como disse, essa postagem é bem completa, então tentei levantar tudo que é pertinente saber. Veja os pontos elencados abaixo:

1. É a porta de entrada para muitos MBA’s

Os principais programas de MBA do mundo contam com a prova GMAT em suas etapas. Para você ter noção, as cartas de recomendação podem contar muito, mas a nota que você consegue em um exame como esse pode ser muito mais significativa.

Isso porque ela é determinante para todas as decisões relacionadas ao programa, sua turma e seu desenvolvimento nesse tempo. Como você pode perceber, é muito importante MESMO! Nada mais natural, já que ela prova que você realmente “dá conta do recado”.

É por isso que as melhores escolas de negócio do mundo contam com a nota da prova GMAT um processo classificatório. Isso significa que quem não atingir a média de corte dificilmente será chamado para alguma coisa.

2. Estrutura da prova GMAT

A prova funciona mais ou menos como os outros exames de nivelamento, como TOEFL e IELTS. A duração é de 3 horas e meia, mas engana-se quem pensa que é muito tempo (costuma passar voando).

São 78 questões mais 2 ensaios (que funcionam como o teste escrito) de 30 minutos cada. Isso significa que as questões quantitativas e verbais têm 2:30h para serem feitas.

A nota total pode variar de 200 a 800 pontos, mas não é nada fácil ser bem colocado. Para você ter noção, aproximadamente 2/3 dos estudantes ficam entre 400 e 600 pontos.

3. Questões de matemática com muitas pegadinhas

As pegadinhas são frequentes nas provas de inglês, mas engana-se quem pensa que é só nelas. A prova GMAT também conta com várias delas, então é bom ficar de olho.

Segundo alguns especialistas, o conteúdo da prova de matemática não é dos mais difíceis. Muitos dos conteúdos são estudados no ensino médio do Brasil, um ponto que ajuda muito qualquer um. Ainda assim, os problemas são elaborados para pegar qualquer distraído.

A prova possui dois estilos de questões: informações insuficientes e resolução de problemas. No primeiro caso o estudante não precisa resolver a questão em si, mas sim sinalizar quais são as informações suficientes para resolver. Assim é possível perceber a habilidade analítica de cada um.

Já as questões de resolução de problemas envolvem a marcação de uma resposta correta. E é aí que o perigo mora! Muitas vezes a prova GMAT induz os candidatos a irem para um lado enquanto deveria ir para o outro. Pode parecer bobagem, mas deslizar muitas vezes pode acabar comprometendo suas notas!

4. Parte escrita

A parte escrita da prova GMAT não entra na pontuação, mas isso não significa que possa ser feita de qualquer maneira! Muito pelo contrário: o ideal é caprichar nos dois textos e entender que as escolas de negócio vão ter acesso a tudo que você fizer.

Além disso, ter uma boa nota no exame escrito pode mostrar que você tem consistência e daria conta de estudar fora. No caso de quem é gringo, por exemplo, essa é uma habilidade indispensável e que faz toda diferença para ser bem aceito em uma boa universidade.

5. As dificuldades do idioma

Não tem como fugir: pode ser que você fale inglês há anos, mas ter que provar essa habilidade faz com que muitas pessoas fiquem nervosas e acabem engasgando. Isso tudo sem contar que tem um tempo correndo e você precisa se destacar exatamente naquele momento.

Os problemas não são apenas na prova verbal. As escritas contam com apenas 30 minutos. Isso envolve a leitura do texto, ideia de construção e entrega do texto prontinho. Como muitas vezes não dá para fazer um rascunho e passar a limpo, o ideal é ir anotando as ideias centrais para não se perder.

Por fim, nas questões de gramática é bom ficar de olho também. Tente identificar erros de construção e treinar bastante para conseguir perceber logo de cara!

6. A luta contra o tempo

O tempo é um dos principais impasses de quem se dedica a uma prova como essa. Mas é justamente isso que eles querem pegar, afinal de contas, todo executivo ou estudante de business precisa tomar decisões de forma rápida e sem todas as informações consideradas “ideais”.

A ideia central do exame, segundo os idealizadores, não é ver se o candidato é bom em matemática ou sabe álgebra. O objetivo mesmo é ver o que as pessoas são capazes de fazer com o que tem nas mãos em um período de tempo específico.

7. Tenha atenção mesmo quando achar fácil

Algumas pessoas fazem a prova e consideram tudo “tranquilo demais”. Contudo, é bom tomar cuidado, pois esse pode não ser um bom sinal.

Segundo os criadores, a prova foi criada no esquema do tipo CAT (Computer Adaptive Test). Isso significa que as questões são formuladas para se adequarem ao nível da pessoa que está fazendo a prova.

Isso significa que quando você erra, a próxima questão será automaticamente mais fácil. Por outro lado, quem acerta se depara com questões mais elaboradas. Então, sempre que achar uma questão fácil demais, não deixe de ter atenção redobrada.

Além disso, é bom dar muita atenção para o início. Quem começa errando muitas questões de cara, por exemplo, tem dificuldade em conseguir uma pontuação dentro da média depois.

8. É importante, mas não decisivo

Como falamos no começo dessa postagem, a prova GMAT funciona como uma ótima maneira de impressionar quem seleciona para empresas e universidades ao redor do mundo. Isso significa que ter uma boa nota significa ter mais portas abertas.

Por outro lado, isso não é uma garantia ou “obrigatoriedade”. É importante ter também uma boa história profissional, boas recomendações e um perfil que desperte atenção da instituição.

9. Marcação do exame no Brasil

Se você quer se programar, então é bom saber que a prova GMAT acontece ao longo do ano no Brasil, mas devem ser agendadas com muita antecedência. Os centros que aplicam podem ser encontrados no site oficial do teste – assim como as datas disponíveis.

A prova custa US$250 e o resultado obtido vale por 5 anos. Então é bom se programar, pois o investimento é alto e a durabilidade considerável!

Como treinar?

Depois de descobrir sobre os pontos mais importantes da prova GMAT, é muito importante tomar uma medida prática e começar a treinar. Uma boa dica é começar fazendo isso de forma cronometrada, pois essa é uma ótima maneira de treinar o seu cérebro para responder tudo de forma rápida e eficaz.

Como esse é um ponto para o qual não há escapatória, ou seja, a prova terá um tempo limitado, não deixe de treinar!

É importante refazer as provas antigas e assim se acostumar com o tipo de prova. Além disso, elas contam com o gabarito, o que é ótimo para perceber no que está errando e corrigir. Assim que perceber as deficiências, não perca tempo e dê ainda mais ênfase nesses pontos.

Depois de conhecer os pontos mais importantes sobre a prova GMAT, não deixe de investir em uma preparação consistente. Este é o melhor caminho para bons resultados! Assim você se aproxima do sonho de estudar fora e dar aquela turbinada no currículo.

E você, conhece outros amigos que estão na mesma situação? Então não perca tempo e compartilhe esse post nas redes sociais. Essa é a melhor maneira de ajudar cada um deles nesse sonho!

Compartilhe este artigo com seus amigos: